• Boa Nova 996
A paz do Cristo. A arte do desapego.
19 de noviembre de 2016

Mensagem espiritual pelos espíritos Yoseph e Celina
Psicofonía da médium Eliana dos Santos

Duração: 1h 17min


Ouve a apresentação da mensagem espiritual:

Ouve os primeiros 5 minutos da mensagem espiritual:


«(...) É neste momento que Ele dá a sua paz e a separa da paz que o mundo dá. Porque o mundo não pode compreender o Cristo. O mundo... exclui o Cristo, porque o mundo julga que o Cristo o exclui. Não, o Cristo não exclui o mundo. O Cristo coloca 'ordem no mundo'. O Cristo coloca 'amor no mundo'. O Cristo devolve - (aos açambarcadores do mundo material, aos que tiraram, roubaram o mundo das mãos de Deus) o mundo ao Pai e aqueles que estão de posse do mundo não O compreendem, claro, não podem compreender. Encontrar o Cristo é encontrar a devolução, é tornar-se mais um, é tornar-se filho e retornar ao poder ao Pai.»

Boa Nova 996 Eurípedes Barsanulfo


Profundizando nos conteúdos da Boa Nova 996

Em 19 de novembro de 2016 recebemos da espiritualidade a boa nova 996, o título a paz do Cristo e a arte do desapego, o subtítulo Eu irei ao Pai se me amais, alegrariam-se por minha partida.

Dentro do tema da paz desenvolvido no mês de novembro, a espiritualidade vai crescendo na revelação desta fala do Cristo, maravilhosa fala que inclusive foi lida neste encontro no final desta preleção por nossa querida irmã Ana Ariel, filha desta Casa, filha do espiritismo, filha da esperança maior de caminhar dentro dos páramos cristãos.

A minha paz vos dou, disse o Cristo, mas não vo-la dou como o mundo a dá. Esta é uma sentença cristã muito conhecida de todos nós, a espiritualidade nesta boa nova 996 aprofunda o exame desta palavra, nos dá o contexto desse texto e nós vamos aprendendo realmente o que é a paz, como ela é tecida, porque que o Cristo não a dá como o mundo a nos tem dado, ou como nós ainda dentro do nosso materialismo insensível, como nós procuramos a paz.

E essa nossa procura nos leva a um encontro, a um achado, o que acontece em verdade é que nós não temos paz porque não somos paz. Aprendemos nessa preleção que é preciso tornar-se a paz para que nunca mais a percamos e possamos vivê-la nas situações dilacerantes, inóspitas, difíceis, etc.

A espiritualidade a certa altura da preleção diz que o mundo não pode compreender o Cristo por que o mundo exclui o Cristo, ele julga que o Cristo o exclui, mas é o contrário, o Cristo não exclui o mundo, o Cristo coloca ordem no mundo, a ordem do espírito, a ordem do amor. O Cristo coloca amor no mundo, o Cristo devolve a Deus a ordem maior do mundo, retira o da mão de todas as potestades humanas ou de todo o nosso impulso de poder que diminui o Pai, Deus, Universo e o Criador.

São temas delicados, complexos, difíceis, mas a Cárita Editora Espírita convida você a olhar mais devagar, aliás esta é a palavra que abre a preleção da noite, a olhar com mais vagar, com mais lentidão essa linhas, para que o seu coração construa paz, para que sua alma receba realmente o Cristo e para que você faça a sua caminhada espiritual passando por nós, por esta casa de oração, realmente espiritualizando-se.

Alem desse tema maior que envolve a preleção, nós temos a fala do Cristo nesse momento em que Ele pronuncia esta frase como o momento que Ele aponta aos seus discípulos que vai partir e que sua partida é importante porque Ele não vai por ir, Ele vai para nos preparar um lugar e que se nós o amássemos primeiro, cumpriríamos os seus mandos , os seus mandamentos, os seus ensinos, que Ele foi revelado pelo Pai, e em segundo nos alegraríamos porque Ele voltaria, Ele retornaria. É nesse momento que nós temos a anunciação da Doutrina Espírita, é nesse momento no evangelho joanino em que Ele nos revela que Ele voltará, mas em espírito, a doutrina dos espíritos, Parácleto, a sua promessa cumprida. 

Em Jesus cumpre a sua promessa, quase dois séculos depois, trazemos esse conjunto de apontamentos, ponto de vista, paradigmas que mudam nosso mundo interior. Esta é a proposta. Vamos ouvi-la. Com Jesus em nossos corações, grande abraço, Cárita Editora Espírita.

A oração de Celina

Celina, nossa querida Celina passa rapidamente com sua prece sobre o tema da paz, nos convida a ouvir sempre, nos aponta que nosso trabalho é simplesmente este, muito simples, é o trabalho de receber esse imenso presente celeste semanal trazido das vias espirituais para esta Casa de Oração. 

O tema da paz é então trazido em seus pequenos comentários. Dois mil anos ela diz, filhos amados, ponderar não é nada frente aos séculos e ela fala que a história da evolução humana, o progresso que nos espera, as mutações que nos alcançarão, as alquimias que ainda virão, não é nada vinte séculos e por isso então, diz ela, prossigamos então como tartaruga prossegue, devagar e sempre. Que essa noite aqui reunida, agradecidos a Deus, passemos aos cânticos e assim ela se termina, Cárita Editora Espírita.

Cárita Editora Espírita deixa sua paz. A paz que o Senhor vos deu, aquela paz que não é como o mundo a dá, porque esta casa de oração chama sua alma para trabalho de transformação, mútua transformação, auto transformação, o amor educa, o amor constrói, o amor vai até o outro que está caído e o colaca em seus ombros, e o carrega até a estalagem e lhe dá alimento e lhe coloca de pé. Este é o caminho, este é chamado, muita paz, até mais, até o próximo encontro.  Neste próximo sábado teremos a cultura védica em nossa pequena sala de oração, muita alegria a todos, Cárita Editora Espírita.


Escreva um comentário

Nota: HTML não suportado.
    Ruim           Bom

Boa Nova 996

  • R$12,50


Etiquetas: védico; zelo; Cristo não exclui o mundo; anjo caído; opostos; carma; bússola salvadora; senha para Deus; sofrimentos;"expectativas; relacionamento e conflito; paz: un estado do ser; ser advogado de defesa do amigo; o falso perdão; Cristo cria a categoria do dar; justiça distributiva; não tomamos a paz que Jesus nos deu; momento histórico duelista; afastamentos criadores; o outro como mensageiro da minha mudança; não podemos mudar o outro; culpabilizar o próximo é retraso evolutivo; abandonar as ilusões porque ela nos abandonará ; o amor tece as coisas ; contacto com a divindade pacífica